Um símbolo de paz

A oliveira caracteriza toda a paisagem mediterrânea; seu cultivo para a produção de azeite possui uma história milenar, começando provavelmente nas atuais Síria  e Palestina quase 3000 anos atrás, ou ainda antes, segundo algumas teorias. Na Toscana certamente cultivavam as oliveiras os etruscos, população pré-romana que morava nestas terras e que nos deixou exemplos admiráveis de arte funerária. Depois da queda do Império Romano, e o consequente desaparecimento das atividades agrícolas, foram os governos do Granducato de Toscana que, no começo da idade moderna, favoreceram de todas as formas a retomada das antigas tradições. Azeite e vinho são até hoje os produtos principais, conhecidos no mundo inteiro, da agricultura, e da cultura desta região.

 

A colheita

A colheita das azeitonas começa em meados de outubro e pode chegar a dezembro. É uma atividade essencialmente cooperativa, e na Itália central, onde a terra foi quase sempre cultivada por famílias de pequenos proprietários, ela envolvia toda a comunidade familiar: homens, mulheres, crianças, velhos; cada um contribuindo segundo suas possibilidades.

No mês de outubro o clima é ideal, e o ritmo necessariamente lento deste trabalho cuidadoso, feito com as mãos ou com simples ferramentas, favorece o contato profundo com a natureza, com os parceiros de trabalho, e consigo mesmo. Extensas redes são esticadas sob as árvores, enquanto os mais ágeis sobem para tirar as preciosas azeitonas dos galhos. No fim do dia a felicidade de segurar na mão o fruto de seu trabalho supera, de longe, qualquer esforço que possa ter custado.

 

O azeite

Depois da colheita, as azeitonas são levadas para estruturas rústicas onde cooperativas de trabalhadores administram o maquinário necessário para limpar as azeitonas das impurezas e  moê-las sob grandes rodas de pedra, até obter uma massa ainda misturada com água de vegetação. Após o processo mecânico de centrifugação, os produtores vivem a imensa emoção de ver descer as primeiras gotas do "olio nuovo". A degustação acontece sobre fatias de pão toscano torrado ou às vezes com feijão branco. O sabor, o cheiro, não podemos descrever nestas páginas, pois a informática não chega a tanto. Existem experiências que são feitas apenas para serem vivenciadas.