Viva l’olio d’oliva 2012 respeitou todas nossas melhores expectativas. Um pequeno grupo de brasileiros, de todas as idades, alguns fluentes em italiano, outros menos, mergulharam por 11 dias na realidade e no sonho da Toscana. Foram muitos quilômetros na nossa van, e muitas caminhadas também, que nos levaram a descobrir paisagens escondidas e encantadoras assim como cidades famosas no mundo inteiro. Nesta página o leitor pode encontrar uma pequena reportagem fotográfica desta experiência.

Primeiro: as paisagens, as cores, os cheiros da natureza e a simples beleza das pequenas cidades que na Toscana inteira se integram de forma admirável, desenhando uma harmonia autêntica entre a presença dos homens e o ambiente em que eles vivem.

Depois, a história: uma história às vezes milenar, ainda viva e presente nas construções, nas pedras, nas igrejas e castelos e fortalezas que foram feitos para resistir ao passar dos séculos e em algumas circunstancias também aos ataques de inimigos valentes.

Mas a gente não estava em busca de guerras, e sim de paz: a paz que se encontra no trabalho, na intimidade com a terra e a natureza. A colheita das azeitonas foi uma experiência enriquecedora. Eis aqui um grupo de pessoas, acostumadas no dia a dia a se relacionar apenas com aquelas florestas de cimento que são as grandes cidades, descobrir dentro de si o instinto primordial do agricultor. E levaram para casa a fragrância do autêntico azeite toscano, feito com as próprias mãos. Algo que não se encontra nos supermercados.

Os encontros foram uma parte essencial da viagem. Artesãos, donos de restaurantes familiares, arqueólogos, expertos de história da arte, enólogos ou simples cidadãos: pessoas. Pessoas autênticas, habitantes da Toscana, cheios de amor para sua terra e de vontade de comunicar esta paixão para os visitantes que chegavam de outra parte do oceano para conhecê-la. Voltamos para o Brasil lembrando não apenas de monumentos e museus, mas de rostos, vozes, risadas, mãos que nos acompanharam a conhecer a essência de uma região tão rica de história e do povo que dá vida e alegria aos seus dias de hoje.

Não, não voltamos neste navio. Foi apenas uma das imagens com que o céu e a natureza da Toscana nos presentearam – porque na Toscana tem o mar, também!-

Mas é uma imagem adequada a pensar na experiência que os viajantes tiveram nesta terra, da qual se despediram para voar rumo a este horizonte do qual um dia, quem sabe, provavelmente, voltarão.